A porta na caneta

 

Por Diogo Madeira

A Caneta é jornalista e não para de colecionar prêmios de melhor jornalista. Segundo os críticos,  a escrita dela é muito “extraterrestre” no sentido de talento. Ela tem grande admiração por Vlado Herzog, o jornalista revolucionário assassinado no período da ditadura militar. Há boatos de que ela declina muitos convites – para ela considerados burgueses – para trabalhar na Globo, o que não lhe é pertinente. E o nome verdadeiro dela? Caneta. Coincidentemente, o seu nome se ampara ao jornalismo por gostar de escrever. Ela, por formidável que pareça, tem flexibilidade política, no entanto, sente-se bem trabalhando em jornais alternativos, especialmente relacionados à literatura, cuja paixão lhe é eterna desde pequena. A própria, além de escrever,  até desenha muito bem! (no mínimo faz ilustrações infantis). A Caneta é doutora em teoria da literatura. O seu tesão pelos estudos é perpétuo, algo que muitas pessoas não têm. (ela acha)

A literatura latina americana é a predileção dela por nascer no Brasil, bem no Rio Grande do Sul, que era a sondagem para transformá-lo num país, mas o negócio político não deu certo. Ela devora até quatro livros ao mesmo tempo. Mas quando tal palavra lhe é desconhecida? O dicionário ou o contexto frasal dá conta. Ela se dá bem nas entrevistas consideradas tensas, o que é a parte fascinante para seus colegas. Ela é eficiente em entrevistar personalidades fechadas. Por isso muitos jornais alternativos desejam contar com ela. Chega a hora da entrevista mais importante para ela. Ela tem de ir até a casa de uma mulher, segundo as fontes, considerada a informante autêntica sobre um escritor que se suicidara na época de 1960. Como de praxe, ela está preparada (sempre antecipa seu equipamento antes de ser chamada para o serviço jornalístico) para realizar a entrevista mais importante do sistema solar. Todavia, acontece que a mulher a ser entrevistada não deseja atender a porta, ou seja, bate a porta na cara da caneta depois de contemplá-la quando abriu lentamente a porta. A Caneta fica aborrecida porque tal coisa como essa nunca lhe afetara antes. Psicologicamente humilhada, ela cogita mudar de profissão. Mas para ela é difícil porque ela é uma caneta, cuja função que ela possa exercer é escrever textos.

Anúncios

15 comentários sobre “A porta na caneta

  1. Você fala muito do “império do Collor” e sobre ser comunista, como se isso fosse um orgulho. Cara, o Collor foi um corrupto safado de primeira, mas a corja comunista que governou esse país por mais de uma década não é nem um pouco melhor. Estude mais antes de escrever tantas asneiras!

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s