Obrigação?

Por Diogo Madeira

Aí, enfim, vem a primeira crônica exclusivamente sobre a surdez após precisar pensar neste assunto por um longo instante em razões de eu não me sentir bem escrevendo sobre a referida questão. Esta referência me é inextinguível. Por quê? Eu não tenho como escapar do que sou. O escapar, eu sei, não soa bem para todos, pois é certo embaraço. Não que pensem que eu exponha certo preconceito quanto a isto. Geralmente, o preconceito, ou melhor, a desinformação se situa sempre em algum lugar, para lhes aborrecer de forma repentina ou esperada. E o dia em que eu fui ao aeroporto e o atendentente me disse depois de providenciar o meu bilhete: precisa de acompanhante? E eu respondi, de modo consciente, que não. Não obstante a importância do acompanhante a ponto de não deixar o passageiro surdo perder o voo por falta de informações evidentes. Pois bem. Há os dois lados que resultem em embaraço e conforto. Faz tempo surgiu uma coisa que me deixou curioso: surdismo. Todavia, por enquanto, sem conceito definido – está em aberto para conceituá-lo o mais rápido possível, uma vez que muitos pesquisadores vão querer o utilizar para tecer da maneira possível para apresentar as provas reais e tal. Para ser franco, esta ideia parece-me exímia porque é um assunto especial para quem queira saber se da forma como  a comunidade surda faz. Estou falando isso, pois fui possuído por um escritor tão latente que a maioria irá jamais conhecê-lo profundamente por questões de divergência ideológica. Inaugurei este título por vários motivos. Um deles é que a vontade de escrever leva-me a concretizar o que eu reflito neste espaço tão amplo virtualmente para que os meus queridos leiam por curiosidade e raiva. Cabe-me ressaltar uma coisa que vem se metendo em nós há muito tempo: a cultura surda é apenas uma cultura ou não? E por mais incrível que pareça, o surdo que opta por não ser fanático por ela é ‘pedrejado’ por devotos por cultura surda. Por quê? Esse ato me lembra a idade cristã em que o povo se sentia ofendido por ver o pesquisador que ignorava a importância da religião. Creio eu, que, o porquê será respondido em breve. Ao menos será replicado com consciência para não deixar que algo nos fere desnecessariamente. A obrigação é um meio que traz benefício e prejuizo, dois substantivos inimigos a todos. Por intermédio das pessoas mais próximas, ou melhor, dos militantes da comunidade surda que eu considero a fonte confiável, a proposta da constância das escolas bilíngues para surdos está ameaçada por capangas do MEC –  que favorece à ideia da escola inclusiva, embora os resultados sejam negativos. É lamentável ver eles tentando da maneira absurda e depreciando as explanações da comunidade surda acerca dos insucessos da metodologia da escola inclusiva. Posso afirmar que a luta contra esses males é obrigatória para não haver mais aflição aos surdos que não conseguem aprender o que queriam o suficiente por razões linguísticas. Voltando ao assunto da obrigação, ela vai tanto para o bem quanto para o mal, dependendo do que for para nós. Reitero mais uma vez que o porquê será respondido em breve.

Anúncios

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s